Incontinência urinária: o que é e como surge

Incontinência urinária corresponde à perda involuntária de urina. O problema é mais comum nas mulheres conforme o avanço da idade, mas pode surgir em todas as faixas etárias, bem como nos homens.

Nas mulheres, as estruturas musculares responsáveis pelo sistema urinário são mais espaçadas, conferindo-lhe uma fragilidade que se acentua com o passar dos anos devido à atrofia natural. Essa fragilidade das estruturas musculares reduz o controle da contração da uretra (canal por onde passa a urina) e de um músculo (esfíncter) que forma um pequeno anel em volta da uretra. A incontinência também pode decorrer de muitos partos ou partos prolongados.

Os homens são menos atingidos pelo problema, pois têm uma uretra mais longa e forte. Neles, a incontinência surge geralmente após cirurgias para a retirada da próstata cancerosa.

Existem dois tipos de incontinência urinária:
>A bexiga hiperativa: o órgão se contrai sem o controle da pessoa ocasionando a perda de urina em algumas vezes.

>Incontinência por esforço: quando há liberação de urina após um esforço como levantar um peso, dar uma gargalhada, uma tosse, durante um exercício ou movimento que requeira maior esforço.

Há ainda a possibilidade de os problemas aparecerem juntos, a chamada incontinência mista.

Sintomas

Um dos sinais mais evidentes do problema é a frequente ida ao banheiro para urinar e, em muitas vezes, não resistir e fazer xixi nas calças. A disfunção afeta significativamente a qualidade de vida.

Fatores de risco

  • Mulheres após muitos partos ou trabalhos de parto prolongados;
  • Diabetes;
  • Pacientes com trauma na medula;
  • Pacientes que tenham passado por cirurgias pélvicas.

Estatísticas

Mais comum do que se imagina, a incontinência afeta 10 milhões de pessoas no Brasil, de acordo com dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU).


Leia também
Incontinência urinária: prevenção e tratamento
Saiba quais são as doenças urológicas mais frequentes